9.30.2010

Paul McCartney tem show confirmado em Porto Alegre

O Grupo RBS confirmou, através de sua assessoria, que o ex-Beatle Paul McCartney se apresentará no próximo dia 07 de novembro, no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Essa será a primeira vez que o músico faz show em solo gaúcho.
O mesmo comunicado da RBS indica que McCartney fará duas apresentações em São Paulo nos dias 21 e 22 de novembro, no Estádio do Morumbi. No entanto, as datas não foram confirmadas oficialmente.

Charlie Brown Jr. e Planta & Raiz juntos em show gratuito

No dia 13 de outubro os fãs das bandas Charlie Brown Jr. e Planta & Raiz poderão assistir a um show especial dos dois grupos juntos em São Paulo. As bandas vão participar do evento Mega Show, promovido pela rádio Metropolitana FM, com entrada gratuita.
O evento será realizado no palco da casa de shows Via Funchal e os ingressos estarão disponíveis a partir da próxima sexta-feira, 1º de outubro. Para conseguir um par de convites basta ligar para a rádio no telefone 11 4040-4001, entre 08h00 e 18h00. Para ganhar os ingressos é necessário ser atendido pela telefonista.
Chorão (voz), Thiago Castanho (guitarra), Heitor Gomes (baixo) e Bruno Graveto (bateria) estão em turnê divulgando o álbum mais recente do Charlie Brown Jr., “Camisa 10 (Joga Bola até na Chuva)”, lançado no ano passado.
O Planta & Raiz também está na estrada mostrando ao público as canções do disco “Manifestação do Amor”, lançado este ano.

13/10/2010 - São Paulo/SP
Via Funchal - Rua Funchal, 65
Ingressos: grátis - para ganhar o ingreso é necessário ligar para 11 4040-4001.
Informações: www.metropolitanafm.com.br

Norah Jones vem ao Brasil para quatro shows

A cantora e musicista Norah Jones vem ao Brasil em novembro para uma série de quatro apresentações. O anúncio da turnê pelo país foi divulgado pela empresa Dançar Marketing & Comunicações. No site oficial da artista, por enquanto, consta apenas uma apresentação em Buenos Aires, na Argentina.
As apresentações em território brasileiro estão agendadas para os dias 12, 14, 16 e 18 de novembro, respectivamente em Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. A boa notícia para o público da capital paulista é que este show será gratuíto no Parque da Independência, no bairro do Ipiranga. Detalhes sobre a venda de ingressos para as outras apresentações serão divulgadas ainda nesta semana.
Norah Jones continua em turnê divulgando o álbum “The Fall” e no dia 16 de novembro lança seu novo trabalho, “Featuring”, disco que reúne participações de diversos artistas com quem já dividiu o palco ou realizou gravações em estúdio.

Confira as informações já divulgadas:

12/11/2010 - Curitiba/PR
Teatro Positivo - R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300

14/11/2010 - São Paulo/SP
Parque da Independência - Av. Nazareth, s/n
Horário: 16h00
Ingressos: Entrada franca

16/11/2010 - Rio de Janeiro/RJ
Vivo Rio -Av. Infante Dom Henrique, 85

18/11/2010 - Porto Alegre/RS
Teatro Bourbon - Av. Túlio de Rose, 80 - SUC 301

Renato Teixeira e Sérgio Reis fazem apresentação intimista em São Paulo

Os cantores Renato Teixeira e Sérgio Reis, amigos de longa data e importantes nomes da verdadeira música sertaneja, faram uma apresentação intimista e gratuita na próxima segunda-feira, 04, em São Paulo. O pocket show será realizado na Livraria Saraiva MegaStore, no Shopping Center Norte.
A apresentação da dupla faz parte do processo de divulgação do mais recente trabalho gravado por eles, “Amizade Sincera”, CD e DVD lançados recentemente. Este trabalho traz o registro de um show realizado em 06 de fevereiro deste ano, no palco do Teatro Bradesco, em São Paulo.
No repertório do CD/DVD alguns dos maiores clássicos da música caipira, como “O Menino da Poteira”, “Frete”, “Vide Vida Marvada”, “Filho Adotivo”, “Um Violeiro Toca” e “Romaria”, entre outras. No encontro com os fãs na próximna semana a dupla também estará autografando o CD e DVD “Amizade Sincera”.

04/10/2010 - São Paulo/SP
Livraria Saraiva Megastore - Travessa Casalbuono, 120
Horário: 19h30
Ingressos: grátis (vagas limitadas)
Informações: 11 2252-2110

Martin e Eduardo, que tocam com Pitty, lançam novo projeto musical

Nos intervalos entre um show e outro da turnê de divulgação do álbum “Chiaroscuro”, da cantora Pitty, os músicos Martin Mendonça (guitarra) e Eduardo ‘Duda’ Machado (bateria) encontraram tempo para juntarem suas inquietações musicais e formaram um novo projeto musical.
Batizado simplesmente como Martin e Eduardo, a dupla acaba de lançar o primeiro disco desse projeto, “Dezenove Vezes Amor”, pelo selo Cornucópia Discos. O álbum traz nove músicas gravadas no Estúdio Madeira, de propriedade do próprio baterista, e produzido pela dupla.
Enquanto Eduardo segura o ritmo na bateria, Martin atua nas gravações com o baixo, violão, voz e, claro, guitarra. O álbum conta com as participações de Pedro Pelotas (orgão, sintetizadores), Joe (baixo em “Muitas”) e PJ (baixo em “Passa em Volta”).
O show de lançamento oficial do palbum “Dezenove Vezes Amor” será nesta quinta-feira, 30, no palco do Comitê, em São Paulo. Para saber mais sobre o projeto acesse o site oficial: www.dezenovevezesamor.com e o MySpace: www.myspace.com/dezenovevezesamor.

30/09/2010 - São Paulo/SP
Comitê Club - Rua Augusta, 609
Horário: 23h59
Ingressos: R$ 30,00
Informações: www.comiteclub.com.br

9.29.2010

Alejandro Sanz recebe Ivete Sangalo e Daniela Mercury em shows pelo Brasil

Quem for aos shows do cantor espanhol Alejandro Sanz no Rio de Janeiro e em São Paulo, nos dias 17 e 19 de outubro, respectivamente, terá a oportunidade de ver o artista dividir o palco com duas importantes cantoras brasileiras: Daniela Mercury e Ivete Sangalo.
Sanz recebeDaniela Mercury no palco do Citibank Hall, no Rio, para uma participação especial. Os dois artistas se conhecem há anos e, inclusive, Daniela já gravou com Sanz a música “He Sido Tan Feliz Contigo”, em um DVD lançado em 2004.
Na capital paulista, no Credicard Hall, Sanz recebe Ivete Sangalo. O cantor espanhol participou da gravação do álbum ao vivo de Ivete, gravado no Rio, e cantor “Corazón Partío”.
Os shows de Alejandro Sanz no Brasil fazem parte da turnê de divulgação de seu mais recente trabalho, “Paraíso Express”. Confira as informações:

17/10/2010 - Rio de Janeiro/RJ
Citibank Hall - Av. Ayrton Senna, 3.000
Horário: 20h00
Classificação etária: Permitida a entrada e permanência de adolescentes a partir de 15 anos (inclusive), desacompanhados.
Ingressos: R$ 200,00 (cadeira lateral / poltrona), R$ 250,00 (cadeira central / cadeira especial), R$ 300,00 (cadeira palco / camarote), R$ 350,00 (cadeira vip).
Vendas pela internet: www.ticketsforfun.com.br

19/10/2010 - São Paulo/SP
Credicard Hall - Av. das Nações Unidas, 17.955
Horário: 21h0
Classificação etária: 12 e 13 anos acompanhados dos pais ou responsável legal. Não será permitida a entrada de menores de 12 anos.
Ingressos: R$ 100,00 (platéia superior 3), R$ 110,00 (platéria superior 2), R$ 120,00 (platéia superior 1), R$ 250,00 (poltrona setor 2), R$ 300,00 (poltrona setor 1 / cadeira setor 2), R$ 350,00 (camarote setor 2 / cadeira setor 1), R$ 400,00 (camarote setor 1 / cadeira vip).
Vendas pela internet: www.ticketsforfun.com.br

Michael Sullivan apresenta novo show em noite única em SP

Nesta quinta-feira, 30, o compositor e cantor Michael Sullivan fará uma única apresentação no palco do Tom Jazz, na capital paulista, mostrando ao público seu show “Na Linha do Tempo”.
No show Sulivan traz à tona canções que se tornaram sucessos e clássicos da música brasileira em quase 40 anos de história. Esta apresentação também comemora a indicação do CD/DVD “Na Linha do Tempo” ao Grammy Latino na categoria “Melhor Disco de Música Pop Contemporânea”.
O público poderá ouvir composições de Sullivan imortalizadas nas vozes de importantes nomes da MPB. Estão no repertório “Leva”, “Me Dê Motivo”, “Não Vá”, “Amanhã talvez”, “Deslizes”, “Um dia de Domingo”, “Whisky a Gogo”, “Estranha Loucura”, “Talismã”, “Retratos e Canções” e a inédita “Açúcar” (Michael Sullivan / Dudu Falcão).
Sullivan também prepara uma homenagem a Luiz Gonzaga, cantando “Sabiá”, e a Tim Maia, com “Primavera” e “Descobridor dos sete Mares”. No palco o cantor e compositor será acompanhado pelos músicos Moises Gomes (guitarra), Jademir Machado (baixo), Renam Penedo (teclado), Marcio Amaro (bateria), Jorge Luis Marques (trompete) e Heber Poggi (saxofone e flauta).

30/09/2010 - São Paulo/SP
Tom Jazz - Av. Angélica, 2.331
Horário: 22h00
Classificação etária: 18 anos
Ingressos: R$ 70,00
Informações: www.tomjazz.com.br

Skank estréia nova turnê com show no Rio de Janeiro

Os mineiros do Skank voltam aos palcos para uma nova turnê pelo território brasileiro. O grupo estréia a nova série de shows na próxima sexta-feira, dia 1º de outubro, com uma apresentação no Rio de Janeiro.
O show que marca o início da nova turnê nacional será realizado no palco do Vivo Rio. Nessa turnê o quarteto divulga o novo álbum registrado ao vivo, “Skank no Mineirão”, gravado em 19 de junho no famoso estádio de futebol localizado em Belo Horizonte.
Depois da estréia no Rio, o grupo tem agendado um show no dia 15 de outubro, no festival Ceará Music, e segue a turnê em novembro por Vitória e São Paulo. Confira os detalhes do show no Rio:

01/10/2010 - Rio de Janeiro/RJ
Vivo Rio - Av. Infante Dom Henrique, 85
Horário: 22h00
Classificação 16 anos. Menores de 16 anos somente acompanhados do responsável legal
Ingressos: 60,00 (pista), R$ 100,00 (pista superior / camarote B), R$ 120,00 (camarote A).
Informações: www.vivorio.com.br

Fãs escolherão músicas de nova coletânea da Legião Urbana

Os fãs da banda Legião Urbana serão os responsáveis pela escolha do repertório de uma nova coletânea que a gravadora EMI lançará em breve.
Este novo lançamento da banda de Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá ainda não tem título definido, masjá se sabe que o álbum trará 12 músicas e será lançado em novembro. Uma lista com 40 músicas está disponível no site oficial da banda para que os fãs votem em suas preferidas.
Para votar basta acessar o endereço www.legiaourbana.com.br e se cadastrar. A votação ficará aberta até a próxima quinta-feira, 30. Quem participar vai concorrer a CDs autografados por Bonfá e Villa-Lobos.
Entre as músicas disponíveis estão “Pais e Filhos”, “Será”, “Monte Castelo”, “Andrea Doria”, “Giz”, “Hoje A Noite Não Tem Luar” e “Eu Sei”.

9.28.2010

Eminem no Brasil: ingressos à venda

Começou nesta segunda-feira, 27, a venda de ingressos para o único show do rapper Eminem no Brasil. O cantor fará sua primeira apresentação em território brasileiro como atração principal da primeira edição do evento F-1 Rocks. O evento será realizado no dia 05 de novembro, no Jockey Club, na capital paulista.
Esta será a terceira edição do evento F-1 Rocks, que precede grandes prêmios de Fórmula 1. As duas edições anteriores foram realizadas em Cingapura e Milão.
Os ingressos para o show de Eminem em São Paulo já estão à venda através do site da Ingresso Rápido. Confira os detalhes:

05/11/2010 - São Paulo/SP
Jockey Club - Av. Lineu de Paula Machado, 1.263
Horário: 19h30
Ingressos: R$ 150,00 (arquibancada), R$ 260,00 (pista) e R$ 500,00 (pista vip).
Informações: www.ingressorapido.com.br / www.f1rocks.com.br

Estádio reserva datas para Paul McCartney

Apesar de recentemente assessores de Paul McCartney terem negado a visita do músico ao Brasil, os responsáveis pelo Estádio Cicero Pompeu de Toledo - o Morumbi - confirmaram que o local está com duas datas reservadas para o ex-Beatle.
O estádio do São Paulo Futebol Clube deve receber o cantor inglês para shows nos dias 21 e 22 de novembro. Caso a turnê seja confirmada, está será a terceira vez que McCartney se apresentará em território brasileiro.
Segundo o jornal Lance!, especializado em notícias esportivas, o clube paulista deve embolsar cerca de R$ 1,2 milhão pelas apresentações.
A atual turnê de Paul McCartney tem o nome de “Up and Coming”. No início deste mês o jornal argentino Clarín divulgou que McCartney faria uma nova turnê pela América do Sul com shows nos dias 14 e 15 em Buenos Aires, passando pelo Brasil, Chile e Peru. Por enquanto o músico ainda não divulgou oficialmente essas apresentações.

SHOWS RIO DE JANEIRO

Alcione

Ao vivo, a vencedora do Prêmio da Música Brasileira na categoria melhor cantora de samba mostra sucessos antigos, como A Loba e Valeu Demais, e recentes, entre eles Eu Vou para a Lapa. 18 anos. Espaço Acústica (750 pessoas). Praça Tiradentes, 2 e 4, Centro, info. 2232-1299, a Carioca. Sexta (1º), 21h. R$ 60,00.

Brad Mehldau

Um dos mais ousados pianistas de jazz da atualidade, o americano Mehldau está de volta à cidade. Em apresentação-solo orientada pelo improviso, vai apresentar composições próprias e versões para Beatles, Radiohead, Paul Simon e Nick Drake. Livre. Theatro Municipal do Rio de Janeiro (2 361 lugares). Praça Floriano, s/nº, Centro, info. 2332-9191, a Cinelândia. Sábado (2), 20h30. R$ 40,00 (galeria) a R$ 720,00 (frisa e camarote). Bilheteria: 10h/18h (seg. a sex.); a partir das 10h (sáb.).

Cachorro Grande e Velhas Virgens

De volta ao Rio, o quinteto gaúcho de rock é a principal atração da noite. Lançado no ano passado, Cinema, em cujas gravações entraram cítara e pitadas psicodélicas, serve de base para o repertório. Completa o programa o rock performático do veterano grupo Velhas Virgens, com canções do disco Ninguém Beija como as Lésbicas. 18 anos. Circo Voador (2 600 pessoas). Arcos da Lapa, s/nº, Lapa, info. 2533-0354. Sábado (2), 23h. R$ 50,00. Bilheteria: 12h/18h (seg. a sex.); a partir das 21h (sáb.). IC. www.circovoador.com.br.

Capital Inicial

Um espetáculo com novidades high-tec apresenta ao público Das Kapital, o 12º disco da banda. A conhecida influência do punk e do pop aparece nas novas canções, mas o que levanta os fãs ainda são os antigos sucessos na voz de Dinho Ouro Preto. Abertura da Rockz, formada por ex-integrantes dos grupos Planet Hemp e Funk Fuckers. 18 anos. Fundição Progresso (4 000 pessoas). Rua dos Arcos, 24, Lapa, info. 2220-5070. Sexta (1º), 23h59. R$ 50,00 (1º lote) a R$ 70,00 (3º lote). Bilheteria: 10h/13h30 e 14h/18h (seg. a qui.); a partir das 14h (sex.). www.fundicaoprogresso.com.br.

Chico Caruso e Wanda Sá

Acompanhados pelo trio de Dôdo Ferreira, o cartunista e a cantora Wanda Sá comandam o espetáculo A Nova Bossa do Leblon, com obras de Mauricio Einhorn, Baden Powell e Tom Jobim. 18 anos. Teatro Café Pequeno (110 lugares). Avenida Ataulfo de Paiva, 269, Leblon, info. 2294-4480. Sexta (1º) e sábado (2), 21h; domingo (3), 20h. R$ 30,00. Bilheteria: 16h/21h (ter. a qui.); a partir das 16h (sex. a dom.).

Dona Ivone Lara e Delcio Carvalho

Gravado ao vivo em de 2008, o CD Bodas de Coral reúne os dois grandes nomes do samba em torno de parcerias como Acreditar e Sonho Meu. Para o projeto, Dona Ivone e Delcio Carvalho compuseram mais cinco músicas, garantidas nesta apresentação. 14 anos. Teatro Carlos Gomes (685 lugares). Praça Tiradentes, 19, Centro, info. 2232-8701, a Carioca. Terça (28), 19h. R$ 10,00. Bilheteria: 14h/18h (seg.); a partir das 14h (ter.).

Ednardo

Cearense da geração de Belchior e Fausto Nilo, o cantor lança a versão remasterizada do disco Massafeira Livre, que, lançado em 1980, revelou o talento do grupo. Ao vivo, Ednardo conta com a participação de outro integrante daquela turma: Fagner. 14 anos. Modern Sound (120 lugares). Rua Barata Ribeiro, 502, loja D, Copacabana, 2548-5005, a Siqueira Campos. Terça (28), 19h. Grátis. É necessário fazer reserva. Estac. c/manobr. (R$ 7,00 a primeira hora).

Erasmo Carlos

Ao lado de uma banda que mistura jovens integrantes do grupo Filhos da Judith (o baixista Pedro Dias e o guitarrista Luiz Loppez) a velhos companheiros de estrada como o tecladista José Lourenço, o Tremendão mostra Jogo Sujo, Cover e Olhar de Mangá, do disco mais recente, Rock’n’Roll, e antigos sucessos da carreira. Nesta categoria estão Sentado à Beira do Caminho e Minha Fama de Mau. 18 anos. Circo Voador (2 600 pessoas). Arcos da Lapa, s/nº, Lapa, info. 2533-0354. Sexta (1º), 23h. R$ 60,00. Bilheteria: 12h/18h (seg. a qui.); a partir das 21h (sex.). www.circovoador.com.br.

Gabriele Mirabassi

Clarinetista italiano, Mirabassi vai dividir o palco com o conterrâneo Peo Alfonsi e o brasileiro Guinga, ambos violonistas. No programa, o tarimbado instrumentista, que já gravou com o Duo Assad, o pianista André Mehmari e o próprio Guinga, vai do jazz à bossa nova. Livre. Sala Funarte Sidney Miller (125 lugares). Rua da Imprensa, 16, térreo, Centro, info. 2279-8104, a Cinelândia. Quinta (30), 19h. R$ 10,00. Bilheteria: a partir das 15h30 (qui.).

Kindernight in rio

Com renda revertida para a Associação Kinderland, o espetáculo reúne três atrações variadas: começa com o duo de voz e violoncelo de Kátia B e Jaques Morelenbaum, passa pelos jovens da Bokabrida e encerra com George Israel, cantando parcerias suas com Cazuza. Apresentação de Marcelo Madureira. Livre. Teatro das Artes (457 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52, 2º andar (Shopping da Gávea), Gávea, info. 2540-6004. Terça (28), 21h. R$ 120,00. Estac. (R$ 6,00 por cinco horas).

Lui Coimbra

Chegado a parcerias inusitadas, o violoncelista desta vez divide as atenções com o DJ Nado Leal em uma noite de música experimental. Livre. Sala Funarte Sidney Miller (125 lugares). Rua da Imprensa, 16, térreo, Centro, info. 2279-8104, a Cinelândia. Sexta (1º), 19h. R$ 10,00.

Mônica Salmaso

Amparada por dois músicos de formação jazzística, Nelson Ayres (piano) e Teco Cardoso (sax e flauta), a cantora interpreta Villa-Lobos, Tom Jobim, Edu Lobo, Chico Buarque e Adoniran Barbosa. Livre. Teatro Clara Nunes (527 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52, loja 370 (Shopping da Gávea), Gávea, info. info. 2274-9696. Terça (28), 21h. R$ 60,00. Cc: M e V. Cd: M e V. IC. Estac. (R$ 6,00 por cinco horas).

Paula Morelenbaum e João Donato

Ao lado da banda Paraphernalia, comandada por Donatinho, filho de João, a cantora e o pianista mostram o disco Água. Livre. Espaço Tom Jobim (500 lugares). Rua Jardim Botânico, 1008, Jardim Botânico, info. 2274-7012. Quarta (29), 20h30. R$ 50,00. Bilheteria: a partir das 15h (qua.). Estac. grátis a partir de 17h.

Silvia Machete

O recém-lançado Extravaganza serve de base para o repertório da noite. Silvia exibe as novas Underneath the Mango Tree e O Baixo, além de Toda Bêbada Canta. 18 anos. Teatro Rival Petrobras (472 lugares). Rua Álvaro Alvim, 33, Cinelândia, info. 2240-4469, a Cinelândia. Sexta (1º), 23h30. R$ 50,00. Bilheteria: 13h30/19h30 (seg. a sex.); a partir de 13h30 (sáb.). TT.

Skank

Superprodução gravada em Belo Horizonte, o CD e DVD Multishow ao Vivo — Skank no Mineirão inspira nova turnê da banda. No repertório, sucessos dividem espaço com as novas De Repente, Presença e Foto na Estante. 16 anos. Vivo Rio (2 000 lugares). Avenida Infante Dom Henrique, 85, Aterro do Flamengo, 2272-2900. Sexta (1º), 22h. R$ 60,00 (pista) a R$ 120,00 (camarote A). Bilheteria: 12h/20h (seg. a qui.); a partir das 12h (sex.). Estac. c/manobr. (R$ 15,00).

Zé Menezes

Aos 89 anos, o violonista cearense é um personagem importante da música brasileira desde a primeira metade do século passado. Integram seu longo currículo feitos como a participação no sexteto Radamés Gnattali, nas décadas de 50 e 60, e a autoria do tema de abertura do programa de TV Os Trapalhões. Ele lança o disco Autoral — Nova Bossa ao lado de Daniela Spielmann (flauta e sax soprano), Marcos Nimrichter (piano e acordeom), Marcello Gonçalves (violão de sete cordas), Jorge Helder (baixo) e Márcio Bahia (bateria). Livre. Teatro Sesi (350 lugares). Avenida Graça Aranha, 1, Centro, info. 2563-4163, a Cinelândia. Domingo (3), 18h30. R$ 20,00.

Zezé Motta: "A primavera se despede"

Comemorando 40 anos de carreira com o show "A primavera se despede"

Em única apresentação no Teatro Rival, no sábado, dia 02 de outubro de 2010, às 19h30, Zezé Motta reúne os grandes sucessos de sua carreira, para celebrar os 40 anos de trabalho, com o show A primavera se despede. No repertório, canções que marcaram época como Rita Baiana, Dores de Amores, Magrelinha, Senhora Liberdade, Chega de Saudade e Consolação.
Atriz, consagrada internacionalmente por sua atuação no filme Xica da Silva, que marca até hoje sua passagem pelo cinema e que lhe rendeu diversos prêmios como atriz, iniciou nos palcos como cantora em São Paulo em 1971, em casas noturnas como as boates Balacobaco e Telecoteco. Ainda na década de 70 fez um show no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro que impulsionou a carreira.
O primeiro disco veio em 1978, Zezé Motta, seguido por Negritude, Dengo, Frágil Força, Quarteto Negro, Chave dos Segredos e Divina Saudade. Entre os maiores sucessos estão as interpretações de Dores de Amores, Magrelinha (ambas de Luiz Melodia), Trocando em Miúdos (Chico Buarque/ Francis Hime), Prazer Zezé (Rita Lee/ Roberto de Carvalho), Crioula (Moraes Moreira) e Senhora Liberdade (Wilson Moreira e Nei Lopes). Realizou apresentações no exterior, convidada pelo Itamarati, representando o Brasil em Hannover (Alemanha), no Carnegie Hall (New York), além de França, Venezuela, México, Chile, Argentina, Angola e Portugal.
Participação especial: Luiz Melodia, Altay Veloso e Silvio César

Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua: Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Tel.: 2524 1666
Dia 02 de outubro – Sábado, às 19h30.
Preço: R$ 50,00(Inteira) R$ 40,00(Os 100 primeiros pagantes) R$ 25,00(Meia).
Classificação: 16 anos. http://www.rivalpetrobras.com.br/

9.27.2010

FABIANA COZZA

No show do DVD "Quando o céu clarear". Dia 30 de setembro de 2010 - Quinta-feira, às 19h30

FABIANA COZZA chegou ao RJ pelas beiradas. Foi cantar na Gamboa, no Trapiche, em 2006, ganhou respeito de admiradores, fãs e, sobretudo da classe musical carioca para agora, no dia 30 de setembro subir ao palco do Teatro Rival com o mesmo time de craques que a recebeu e a adotou e mostrar, pela primeira vez, as canções de seu esperado DVD em parceria com a TV Cultura, intitulado "Quando o céu clarear".
Com participações da cantora Maria Rita e do rapper Rappin Hood, o material foi gravado em 2008 no Auditório Ibirapuera em São Paulo e dedicado ao sambista e poeta Luiz Carlos da Vila que tinha admiração por Cozza e, inesperadamente, apareceu na gravação do documentário sobre ela durante uma feijoada regada a samba na casa de seus pais.
Saudada como uma das mais importantes intérpretes de sua geração e com 13 anos de carreira, Fabiana Cozza sobe ao palco do Rival com um time respeitado de músicos cariocas, entre eles, o diretor musical e produtor de seu novo CD - em estúdio - Paulão 7 Cordas (à frente da banda de Zeca Pagodinho há 23 anos). Acompanham a cantora também Alessandro Cardozo (cavaquinho), Charles da Costa (violão), André Santos (contrabaixo) e Douglas Alonso (percussão/SP).

Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua: Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Tel.: 2524 1666
Dia 30 de setembro - Quinta-feira, às 19h30
Preço: R$ 36,00 (Inteira). R$ 25,00(Os 100 primeiros pagantes) R$ 18,00(Meia).
Classificação: 16 anos. http://www.rivalpetrobras.com.br/

A maior coleção de Bossa Nova do Mundo


A história do carioca Caetano Rodrigues, que gastou um ou dois apartamentos –e uma vida– para completar seu precioso acervo

por RUY CASTRO
O que significa você gostar muito de uma coisa –bossa nova, por exemplo– e sonhar que, um dia, terá TUDO o que se produziu a respeito? No caso, os discos gravados por João Gilberto, Tom Jobim, Carlos Lyra, Sylvia Telles, Nara Leão, Roberto Menescal e tantos outros há 50 anos, quando Ipanema era apenas uma praia carioca, não um "landmark" mundial, e suas garotas, privilégio dos nativos. Bem, não é tão difícil –esses discos clássicos ainda podem ser encontrados em muitos sebos do Rio e de São Paulo.
Um pouco mais difícil é encontrar os discos dos pioneiros que, há quase 60 anos, já faziam uma bossa nova antes da própria bossa nova –Dick Farney, Lucio Alves, Johnny Alf, Doris Monteiro, Dolores Duran, Maysa. Mas também não é impossível. Duro mesmo é achar os discos dos brasileiros e americanos menos famosos que se dedicaram à bossa nova, e que gravaram em selos pequenos e obscuros, no Brasil e nos EUA, quase todos desaparecidos há muito tempo. Note bem, não estamos falando de CDs, mas dos discos originais: os LPs, os vinis, as bolachas pretas –objetos com meio século de vida ou mais.
Imagine agora o que significa ter tudo isso em casa, em cópias reluzentes, sem um estalo ou arranhão, tanto os discos quanto as capas –estas envoltas em translúcidos plásticos de 2010, com gramatura 18 (a única modernidade aceita na coleção). Por fim, enfileire essas preciosidades em estantes que vão do chão ao teto e você terá um fascinante capítulo da música popular brasileira –e internacional– ao alcance da agulha do seu toca-discos.
Caetano Augusto Rodrigues, estatístico com formação em engenharia rodoviária, carioca da Urca, 75 anos, dos quais os últimos 30 em São Paulo, tinha tudo isso em seu apartamento no bairro do Paraíso. É, provavelmente, a maior coleção particular de bossa nova do mundo: cerca de 1.600 discos em primeira edição, sendo mais da metade em LPs da época, e o que foi depois já produzido em CD (mas muitos desses esgotados ou fora de catálogo há anos). A coleção serviu de base em 2006 para o livraço "Bossa Nova e Outras Bossas - A Arte e o Design das Capas dos LPs", um "coffee-table" com 312 páginas, assinado por Caetano e pelo músico e pesquisador Charles Gavin. O livro, patrocinado pela Petrobrás, teve tiragem limitada e não pôde ser vendido comercialmente, única maneira de driblar a impossibilidade de localizar e pagar direitos autorais aos profissionais responsáveis pelas capas. Se dependesse de Caetano, ele estaria nas mãos de cada apaixonado pelo gênero. Como não é possível, o jeito é procurá-lo nas melhores bibliotecas.
Para reunir sua coleção, Caetano contou certa vez que levou quase o tempo de uma vida –desde que comprou seu primeiro disco (um humilde 78 r.p.m.), aos nove anos, numa loja do centro do Rio, muito antes que se falasse em bossa nova. No começo dos anos 1950, ele conheceu um músico jovem e ultra-moderno, o gaitista Mauricio Einhorn, futuro co-autor de "Estamos Aí". Em 1955, levado por Mauricio, Caetano mal tinha tempo para dormir: todas as noites, às 3h, ia ouvir o fabuloso Johnny Alf na boate Plaza, em Copacabana –e, quando Johnny se mudou para São Paulo, Luizinho Eça, Ed Lincoln, Milton Banana e outros o sucederam na pequena boate. Ninguém sabia, mas era a bossa nova em trabalho de parto.

TESTEMUNHA

No Rio, as divindades roçam cotovelos com os mortais comuns, e foi assim que, em pouco tempo, trabalhando na TV Rio como assistente de câmara, Caetano vivia às voltas com Luiz Bonfá, Tito Madi, Sylvinha Telles, Vinicius de Moraes, Antonio Maria. Quando se falou em bossa nova pela primeira vez, em 1958, dentro do apartamento de Nara Leão, Caetano já era íntimo daquela música, só não sabia o nome. Aliás, ninguém sabia –as massas ainda não tinham se dado conta de que aquilo "era bossa nova, era muito natural".
Mas, não demoraria muito, a bossa nova se tornaria uma marca da modernidade, tanto no Brasil quanto nos EUA, que a descobriu e se apaixonou por ela. Dali, a partir de 1960, começaram a sair discos e mais discos "de bossa nova" –embora alguns só contivessem bossa nova no título. Esses LPs, hoje muito difíceis de achar, tornaram-se "itens de colecionador" e foram todos encontrados por Caetano, que os disputou, um a um, com colecionadores internacionais.
Outros ele comprou na época em que saíram, nos anos 1960, ao fim dos shows nas minúsculas boates do Beco das Garrafas, como o do lendário baterista Edison Machado. E esse é um privilégio que ninguém tira de Caetano: ele viu todos aqueles gênios em ação, comprou seus discos, ganhou seus autógrafos e, de vários, ficou amigo.
Uma coleção não se compõe apenas de objetos raros mas também da história que cercou a aquisição de cada um. Daí que esses discos podem ter preço –e Caetano dizia que gastou com eles o equivalente a um ou dois apartamentos no bairro do Paraíso. Mas, mais caras ainda, foram as memórias maravilhosas –essas, sim, impossíveis de calcular– que ele guardou enquanto completava a coleção.
Sim, ele a considerava completa. Só não podia adivinhar que, logo depois de fechar a coleção, sua vida também estaria completa. Caetano Rodrigues morreu no dia 13 último, no Incor, em São Paulo, depois de rapidíssima doença.

Caetano Veloso - Minha ignorância

Não poderia desconhecer o disco que Jon Hendricks fez em homenagem a João Gilberto
Moreno achou o CD na Mídia Louca do Pelourinho.

Há uma filial da Mídia Louca no Pelourinho. A matriz é no Rio Vermelho: uma loja que não parece poder ter uma filial. Adorável. Cheia de discos velhos e com uma sala nos fundos onde de vez em quando tem show. Sem palco. Curiosamente, muito do agito boêmio que sumiu do Pelô migrou para o Rio Vermelho.

Como já disse, se eu pudesse, toda a movida que rolava no Pelourinho teria vingado e crescido.
Dou grande importância a esses ambientes onde jovens da classe média chegam junto e misturado com gente mais pobre — e mais rica: é aí que as ideias fermentam e o gosto se exercita. Pois bem, Moreno achou o disco do Jon Hendricks numa liquidação no Pelô. E me mostrou em sua casa do Rio Vermelho. Me formei nas Sete Portas, no Bazarte do Politeama, no Maciel, no Solar da Fossa, no Cervantes da Prado Junior, no Gigetto, na Galeira Metrópole, no Redondo em frente ao Arena de Boal e Guarnieri. Não poderia desconhecer o disco que Jon Hendricks fez em homenagem a João Gilberto. Leio as listas que Felipe Hirsch põe aqui às segundasfeiras e me assombro com minha ignorância. No mundo inteiro encontro pessoas que, como Hirsch, ouvem muitíssima coisa. Tenho uma certa inveja.

9.25.2010

Rita Lee apresenta ETC na capital paulista

A cantora Rita Lee apresenta em São Paulo o show ETC, que repassa sua carreira, no próximo dia 02 de outubro no palco do Auditório Celso Furtado, no Palácio de Convenções do Anhembi.
Considerada a Rainha do Rock Nacional, Rita Lee tem mais de 40 anos de carreira e suas composições passeiam por diversos estilos, do pop ao rock, da MPB às baladas românticas.
No palco, a cantora é acompanhada de Roberto de Carvalho (guitarras, vocais), Beto Lee (guitarra e vocais), Edu Salvitti (bateria), Brenno di Napoli (baixo), Débora Reis (vocais), Rita Kfouri (vocais) e Danilo Santana (teclados).

É a própria cantora quem explica porque o show tem o nome "ETC":

Se ainda não mataram a óbvia charada do por que a turnê 2010 se chamar “ETC...” aqui vão algumas respostas para perguntas que volta e meia me fazem quando dou entrevistas ou converso com um fã.
Há 45 anos trabalho com música; participei de algumas bandas; tenho trocentas composições; já fiz 1 bilhão setecentos e dezenove milhões e setenta mil shows; entre outros figurinos já me vesti de noiva, boba da corte, presidiária e Nossa Senhora Aparecida; há 33 anos sou casada com Roberto de Carvalho meu maior parceiro musical e pai dos meus 3 filhos.
Sim, o prazer de estar no palco depois de tanto tempo permanece tão intacto quanto a máscara dourada de Tutancâmon.
Não, o repertório dos meus shows nunca é fixo, me conheço o suficiente para saber que tiro e ponho música conforme dá na telha. Material não falta. Nessa turnê tenho minhas favoritas: “Vírus do Amor”, “Banho de espuma”, “Chega mais”, “Atlântida”, “ Orra meu”, “Insônia”.
Sim, tocar ao lado de marido e filho é legal e não, não rola briga de egos.
Sim, temos várias composições inéditas, mas ainda vamos garimpar para então começar a gravar. Não há data para lançamento, nem gravadora, nem pressão, nem ansiedade.
Não, no momento não penso em projetos alternativos, a agenda de shows me toma todo o tempo e saco. Apesar de que um projeto engraçado fora da música sempre me conquista.
Não, não tenho candidato para as próximas eleições, aliás, nem vou sair de casa dessa vez. Enquanto o voto for obrigatório nada vai mudar.
Falar sobre a turnê “ETC...” é chover no molhado, sou a miss simpatia que não tem muita idéia do que pode rolar na hora. Vá lá me ver e a gente vai se falando. Se não der talvez eu tenha outros 45 anos de estrada pela frente para continuar fazendo tudo diferentemente igual apesar, contudo, todavia, mas, porém, etc...
Além do show na capital paulista, as próximas datas da cantora são 01/10 em Criciúma (SC) e dia 03/10 em Florianópolis (SC).

02/10/2010 - São Paulo/SP
Palacio de Convenções do Anhembi - Auditório Celso Furtado. Av. Olavo Fontoura, 1.209
Horário: 21h00
Ingressos: R$ 140,00 (Setor I), R$ 120,00 (Setor II), R$ 100,00 (Setor III Inferior) e R$ 80,00 (Setor III Superior)
Vendas online: www.ingressorapido.com.br
Pontos de venda: Bilheterias no Anhembi - de segunda a sexta das 12h00 às 20h00 / sábados e domingos das 12h00 às 18h00
Classificação etária: 14 anos
Informações: 11 2226-0400

9.24.2010

Gal Costa apresenta show "Total" em São Paulo

Acompanhada por Luis Meira ao violão a cantora Gal Costa apresenta na capital paulista o show "Total" que a tem levado pelo mundo com apresentações elogiadíssimas.
O repertório será variado, com canções de compositores brasileiros que a cantora gravou ao longo de sua carreira. Os ingressos já estão à venda.

01/10/2010 - São Paulo/SP
Palacio de Convenções do Anhembi (Auditório Celso Furtado) - Av. Olavo Fontoura, 1.209
Horário: 21h00
Ingressos: R$ 140,00 (Setor I), R$ 120,00 (Setor II), R$ 100,00 (Setor III Inferior) e R$ 80,00 (Setor III Superior)
Vendas online: www.ingressorapido.com.brPonto de venda: Bilheterias no Anhembi, ao lado da rotatória do hotel Holiday Inn (seg a sexta, das 12h00 às 20h00, sábados e domingos das 12h00 às 18h00)
Classificação etária: 14 anos
Informações: 11 2226-0400

Maria Gadú faz show em clima de "barzinho" no Jockey Club de SP

Foto: Marcos Hermes/Divulgação
Maria Gadú chamou o amigo Leandro Léo ao palco para cantar com ela clássicos da MPB no maior estilo um barzinho e "dois" violões

Os relógios dos prédios da Marginal Pinheiros, em São Paulo, plano de fundo do festival de música latina Telefônica Sonidos, marcavam 21h50 da quinta-feira (22) quando Maria Gadú subiu ao palco com seu jeito brincalhão. O estouro da primeira fila da plateia foi instantâneo. Ali, os dois principais fãs clubes da artista se reuniam com camisetas em sua homenagem, quadros e dezenas de câmeras nas mãos para não deixar escapar nenhum segundo sequer.
Sem se intimidar, e mandando beijos para os fãs, Gadú puxou o banquinho e pegou o violão nos braços para cantar as músicas que marcam seu primeiro e único CD, lançado em 2009. Ao começar com Bela Flor, canção tema da novela Cama de Gato também em 2009, recebeu o apoio do público, que não sabia se ficava sentado ou de pé para poder dançar.
Copos de cerveja nas mãos, balanço do corpo para lá e para cá, jogadinhas de ombro e tentativas de leves sambadas em espaço apertado. O show de Maria Gadú, aconteceu em clima de barzinho com vista da capital paulista em noite de lua cheia e clima agradável ao fundo do palco.
"Amigão e príncipe" da cantora, como ela mesma se refere a ele, Leandro Léo esteve desde o começo com Gadú. Tocando seu violão, servindo como segunda voz nas músicas e, principalmente, fazendo piadas com diferentes formas de dançar, Léo foi uma atração à parte e conseguiu arrancar risadas do público presente.
Depois de dez músicas, Gadú se disse honrada em chamar ao palco o cantor e compositor argentino Pedro Aznar, que entrou em cena acompanhado por sua banda e logo mudou o tom mais intimista para uma super produção em alto e bom som. Fumaças, iluminação colorida, e muita agitação do cantor dominaram o ambiente e deram uma pausa para Gadu, que se retirou para voltar apenas na última canção. Em meio a guitarras e baterias, ganhou destaque a sanfona nas mãos de Aznar, que conferiu uma levada de interior às melodias protagonizadas pela banda.
Se nesse momento os fãs clubes se desapontaram, o restante das pessoas se animou com clássicos de Mercedes Sosa, a exemplo de Los Hermanos, cantados em ritmo às vezes mais empolgante e outras mais lento, ideal para quem queria dançar juntinho ou então se "jogar na pista", ou no meio da escadaria da arquibancada mesmo.
Depois, Aznar convocou Maria Gadú para voltar ao palco e cantar com ele o "boa noite" do terceiro dia de festival, Lanterna dos Afogados, mutuamente aplaudida pelos dois públicos presentes no Jockey Club.
O bis ficou só por conta do argentino que cantou a conhecida brasileira A carne entre berros de alguns que pediam mais silêncio e respeito daqueles que já tinham se desinteressado pela atração. E, quando os relógios já marcavam 23h27, Aznar deixou o palco suando de animação e agradecendo a todos os presentes.

Vinnie Moore faz pocket show e sessão de autógrafos na 27ª Expomusic

O guitarrista Vinnie Moore, do UFO, fará uma pequena apresentação no estande da loja Made in Brazil, na 27ª Feira Internacional da Música, a Expomusic. A feita está sendo realizada até domingo, 26, no Expo Center Norte, em São Paulo.
Segundo um cartaz divulgado no estande da loja, o guitarrista fará duas apresentações neste sábado, 25, e outra no domingo. Além do pocket show, Moore também fará uma sessão de autógrafos.
Além do guitarrista do UFO, quem também estará no estande da Made in Brazil é o baixista David Vincent, do Morbid Angel. A apresentação e a sessão de autógrafos é gratuita para quem já estiver visitando a Expomusic.

25 e 26/09/2010 - São Paulo/SP
27ª Expomusic - Expo Center Norte - Rua José Bernardo Pinto, 333
Horário das apresentações: 15h30 e 17h00 (dia 25) / 15h30 (dia 26)
Ingressos: R$ 15,00
Informações sobre a feira: www.expomusic.com.br

Djavan faz Show de lançamento do novo cd Ária

Nos próximos dias 24 e 25 de setembro, Djavan apresenta no Credicard Hall, a estreia nacional do show de lançamento de seu novo CD, “Ária”. Dias 1 e 2 de outubro Djavan segue para shows no Rio de Janeiro.

Novo CD Ária
Três anos depois de seu último disco de inéditas, “Matizes”, Djavan lança em agosto, seu primeiro disco exclusivamente como intérprete. O álbum “Ária” trás músicas que compõem a memória afetiva do cantor e compostor alagoano e que o influenciaram, tais como “Sabes mentir” (ver e ouvir: video clipe) (Othon Russo), “Disfarça e chora” (Cartola/Dalmo Castello), “Brigas nunca mais” (Vinícius de Moraes/Tom Jobim) e “Fly me to the moon” (Bart Howard). O novo CD marca também o início da parceria entre o selo de Djavan, Luanda Records, e a gravadora Biscoito Fino.

SHOW DJAVAN EM SÃO PAULO
Dias: 24 e 25 de setembro
Local, endereço, como chegar,…: Credicard Hall
Horário: 22h
Preço dos Ingressos: 60,00 Platéia (30,00 meia) a 150,00 Camarote
Onde Comprar os ingressos e Pontos de Venda: Tickets For Fun
Censura: 12 e 13 anos acompanhados dos pais ou responsável legal. Não será permitida a entrada de menores de 12 anos.

SHOW DJAVAN NO RIO DE JANEIRO
Dias: 1 e 2 de outubro
Local, endereço, como chegar,…: Citibank Hall – Rj
Horário: 22h
Preço dos Ingressos: 60,00 Mesa lateral (30,00 meia) a 130,00 Camarote (65,00 meia)
Onde Comprar os ingressos e Pontos de Venda: Tickets For Fun
Censura: Permitida a entrada e permanência de adolescentes a partir de 15 anos (inclusive), desacompanhados.

9.23.2010

Michael Monroe anuncia data de lançamento do próximo álbum solo

O lendário vocalista do Hanoi Rocks, Michael Monroe, divulgou à imprensa a data de lançamento do próximo álbum solo. O CD, ainda sem título definido, chegará às lojas no dia 21 de fevereiro de 2011, pelo selo Spinefarm Records.
O vocalista finlandês já se encontra em um estúdio de Los Angeles trabalhando nas músicas. A produção do álbum será assinada pelo produtor Jack Douglas, que já produziu trabalhos de bandas como Aerosmith, New York Dolls e Slash’s Snakepit.
Enquanto não sai o próximo álbum de estúdio, Monroe sairá em turnê de suporte do CD ao vivo que chega às prateleiras no próximo dia 01 de novembro. "Another Night in the Sun/Live in Helsinki" levará o ícone do hard rock à Suécia, Finlândia e Reino Unido, ainda em 2010.
Na Grã-Bretanha, a banda de Michael Monroe irá ficar a cargo da abertura dos shows de comemoração dos 35 anos de carreira do Motörhead.

Gal Costa lança caixa com 15 CDs e álbum duplo

A cantora Gal Costa, após 45 anos de carreira, tem sua obra musical recuperada e remasterizada em uma caixa reunindo 15 CDs gravados entre 1967 e 1983, incluindo o lendário álbum em dupla com Caetano Veloso e um disco duplo de raridades.
São reedições caprichadas que oferecem letras em todos os CDs, som remasterizado com a melhor tecnologia disponível e textos históricos sobre cada disco.
O CD duplo em digipak, intitulado "Divina, Maravilhosa", contém 28 fonogramas raros - em sua maioria inéditos em CD. São faixas gravadas por Gal para discos de festivais, trilhas sonoras, compactos, projetos coletivos em geral e até duetos com amigos.
O projeto 'Gal Total' marca a volta da cantora Gal Costa à Universal Music, 25 anos depois de sua saída da antiga PolyGram, e dá início a uma nova fase de criação da cantora. O projeto é coordenado por Marcelo Fróes e tem direção de Alice Soares.

SHOWS DE LANÇAMENTO: "ÁGUA" PAULA MORELENBAUM E JOÃO DONATO

O CD "Água", que acaba de sair pela Biscoito Fino, marca o encontro do piano inconfundível de João Donato com os vocais de Paula Morelenbaum. Depois de Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, a cantora Paula, reconhecidamente uma das mais lindas vozes da música brasileira, foi buscar em (e com) João Donato a inspiração para o novo disco. Reuniu o melhor do novo e do tradicional, numa combinação “cool/caliente” direcionada par...a o século 21, que ganha shows de lançamento no dia 29 de setembro, quarta-feira, no Espaço Tom Jobim (RJ), e na quinta, 30, no Bourbon Street (SP).
O álbum trouxe também o trabalho de sete arranjadores, de gerações variadas, alinhavando os novos tons de Kassin, Beto Villares e Donatinho –filho de Donato e um dos mais elogiados novos instrumentistas da música carioca a bordo dos grupos Fino Coletivo e Paraphernalia –, com a experiência de Leo Gandelman, Jaques Morelenbaum, Alex Moreira e Marcos “Kuzca” Cunha.
Com direção musical de João Donato e Paula Morelenbaum e participação do grupo Paraphernalia, os shows de lançamento trazem este clima de novos ares presente no álbum, em canções como "Café com Pão" (João Donato/Lysias Enio), " Muito à Vontade" (João Donato/Lysias Enio), "Lugar Comum" (João Donato /Gilberto Gil) e "Everyday" (João Donato /Norman Gimbel).
Como define o jornalista Pedro Só no encarte do CD - "Água" resulta de uma mistura “cool, caliente, dançante e emocionante”. Ou “A trilha sonora de um mundo ideal”, segundo Antonio Carlos Miguel, crítico do Globo, para quem Água é “para mergulhar, se molhar e beber”. O tom do espetáculo não será diferente: “com raro equilíbrio entre sons acústicos e eletrônicos”, como diz sobre o CD Mauro Ferreira no jornal O Dia.

Espaço Tom Jobim (Rua Jardim Botânico, 1008 – Tel: 2274-7012)
Data: 29 de setembro, quarta-feira
Horário: 20h30
Capacidade: 460 lugares
Classificação: 14 anos
Duração: 1h20
Preços: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia-entrada)
Vendas: na bilheteria do teatro: terça a domingo - das 14h às 19h ou pela http://www.ingresso.com/

Bourbon Street Music Club (Rua dos Chanés, 127 – Moema – SP - 11-509 56100 begin_of_the_skype_highlighting 11-509 56100 end_of_the_skype_highlighting)
Data: 30 de setembro, quinta-feira
Horário: 22h
Classificação: 14 anos
Duração: 1h20
Couvert artístico: R$ 75,00

9.22.2010

Ednardo, o bendito maldito e sua Massafeira Livre.

Alex F. Cortez

Depois do vôo nas asas do seu Pavão Misteriozo no inicio dos anos 70, Ednardo virianos brindar ao longo de sua carreira, com um rosário de belas canções. Conheceu o sucesso a popularidade e o esquecimento. Talvez tenha pagado o preço por sua opção estética em relação a sua arte. De sua padaria espiritual saíram o pão do mais puro trigo em contraponto com o que é servido hoje, neste grande circo dos bigbrothers
da vida. Ednardo é seguramente um artista que sempre procurou valorizar a qualidade do seu cantar.

Conhecido no Brasil inteiro, com um público fiel, mas que não traduz em números a qualidade de sua música, Ednardo produziu ao longo de sua carreira, 14 discos, quatro trilhas sonoras para o cinema e mais um punhado de compilações. Teve também várias de suas músicas, gravadas por outros artistas.

Ednardo tem hoje 65 anos, mora no Rio de Janeiro e estará ao lado de Fagner no dia 28 de setembro em Copacabana no Modern Sound promovendo o relançamento do disco Massafeira Livre, produzido em 1979. Neste disco foram reunidos vários artistas cearenses num projeto coletivo pouco conhecido no eixo Rio-São Paulo, mas que teve uma enorme importância para a MPB pela quantidade de artistas que foram lançados na época, e pela qualidade do que foi mostrado.

A seguir, um texto de apresentação do disco Massafeira Livre.

Massafeira começou faz muito tempo, até bem antes do que quando se materializou em forma de um grande ajuntamento de som, imagem, movimento, poesia e muita gente transando tudo isso, numa efervescência febril, bela e loucamente solta durante quatro dias. Era como se fosse o carnaval mudando de data e mais verdadeiro, março de 79/Fortaleza. De lá pra cá muita coisa aconteceu, inclusive o registro aqui de uma pequena, porém significativa parte do que se cantou por lá. Este espaço extremamente pouco para transmitir e transportar o que se guardou, maturou e explodiu num pique de energia, na cabeça de cada pessoa presente àquela alegria imensa. No espanto da descoberta que não se traduz a mágica reza das palavras vestidas de canção na boca plural de todos nós, o chifre deste carneiro apontando o infinito do caminho e a certeza dessa força, motor da transformação e evolução plena, constante nesse imenso estoque de dias que o sol tem pra nascer, se pôr e nascer de novo. (Transcrito da contracapa do disco Massafeira livre)

Pelo visto, assim como as pedras e os dados, Ednardo, este verdadeiro Mago da Música Popular Brasileira continua por aí... Rolando.

Salve Salve, Ednardo!

Paralamas lança nova coletânea da série Arquivo

Chega às lojas ainda este mês, via EMI Music, uma nova coletânea da banda Os Paralamas do Sucesso. O álbum é o terceiro título da série de compilações “Arquivo” e reúne 12 músicas lançadas originalmente entre os anos de 2002 e 2009.
Esse período engloba os álbuns “Longo Caminho” (2002), “Uns Dias ao Vivo” (2004), “Hoje”, (2005), “Paralamas & Titãs: Juntos e ao Vivo” (2008) e “Brasil Afora” (2009).
A primeira coletânea da série, “Arquivo I”, foi lançado em 1990. No ano 2000 a banda lançou o segundo volume e agora, 10 anos depois, é o terceiro volume que reúne faixas da produção mais recente da banda. O repertório você confere abaixo:

01. A lhe Esperar (Brasil Afora 2009)
02. Cuide Bem do seu Amor (Longo Caminho 2002)
03. 2A (Hoje 2005)
04. O Calibre (Longo Caminho 2002)
05. Quanto ao Tempo (Brasil Afora 2009)
06. Na Pista (Hoje 2005)
07. Seguindo Estrelas (Longo Caminho (2002)
08. De Perto (Hoje (2005)
09. Mormaço (Brasil Afora (2009)
10. Soldado da Paz (Uns Dias ao Vivo (2004)
11. Que País É Este? (Uns Dias ao Vivo (2004)
12. Selvagem + Polícia (Paralamas & Titãs: Juntos e ao Vivo 2008)

9.21.2010

Rihanna no Brasil: canceladas as apresentações no país

Foram canceladas as apresentações da cantora Rihanna no Brasil inicialmente agendadas para novembro. A informação foi divulgada para a imprensa pela produtora que estava negociando os shows da artista no país. Rihanna faria shows em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.
Segundo a produtora Unique Sports e Marketing, que estava trabalhando para trazer a cantora ao país, a agência norte-americana Vegas Style and Entertainment será processada por fraude, por negociar shows de Rihanna sem ser a representante oficial para isso e não ter nenhum contato com a equipe da artista.
A negociação virou notícia até nos Estados Unidos e segundo uma materia no site TMZ.com, a produtora brasileira teria assinado um contrato de US$1,7 milhão pela turnê, sendo que US$ 800 mil já teriam sido pagos.
Após a confusão, a Unique Sports entrou em contato com os empresários de Rihanna para agendar uma turnê no país, que só será realizada em 2011.

9.20.2010

Novo livro sobre Ozzy Osbourne nas livrarias em novembro

Mais um livro será lançado em breve contanto detalhes da vida pessoal e da carreira de uma das mais importantes personalidades do Rock e suas vertentes: John Michael Osbourne. Ou Ozzy Osbourne, como é mais conhecido.
A nova biografia sobre o vocalista será lançada nos Estados Unidos, em novembro, pela Krause Publications. O livro, com o título de “The Wit and Wisdom of Ozzy Osbourne”, é escrito pelo jornalista Dave Thompson. Ao longo de sua carreira o jornalista entrevistou Ozzy em diferentes momentos, o que o ajudou a formatar esse livro.
“Ozzy é o Príncipe das Trevas, um homem cuja música tem sido trilha sonora de tantas fantasias demoníacas que, se é verdade o que dizem sobre o Diabo ter todas as melhores canções, então Ozzy vem enchendo sua jukebox durante quarenta anos”, diz o release do livro.
Recentemente foi lançada no Brasil, pela Editora Benvirá, a autobiografia do vocalista, “Eu Sou Ozzy”.

Lady Gaga e Katy Perry lideram indicações ao EMA

Se no Video Music Awards realizado pela MTV nos Estados Unidos a cantora Lady Gaga reinou absoluta, na versão européia da premiação ela tem uma concorrente com quem dividir as atenções. Lady Gaga concorre ao European Music Awards - EMA - em cinco categorias, o mesmo número de indicações de Katy Perry.
Gaga e Perry disputam os troféus em quatro categorias: melhor artista pop, melhor canção, melhor artista feminina e melhor videoclipe. Apenas em uma categoria as cantoras não disoutam entre si. Lady Gaga em melhor artista ao vivo, e Katy Perry em melhor performance.
O rapper Eminem também é destaque na premiação concorrendo a quatro troféus como melhor canção, melhor artista masculino, melhor artista de hip-hop e melhor videoclipe com “Love the Way You Lie”, canção que traz a participação de Rihanna.
A cerimônia de entrega dos prêmios será realizada no dia 07 de novembro, em Madri, na Espanha. Já confirmaram a presença no palco do evento a banda Linkin Park e a cantora Katy Perry. Confira os indicados:

Melhor artista de Rock
Kings of Leon
Linkin Park
30 Seconds to Mars
Muse
Ozzy Osbourne

Melhor artista Pop
Lady Gaga
Usher
Katy Perry
Miley Cyrus
Rihanna

Melhor artista ao vivo
Bon Jovi
Lady Gaga
Muse
Kings of Leon
Linkin Park

Melhor artista masculino
Eminem
Justin Bieber
Usher
Enrique Iglesias
Kanye West

Melhor artista feminino
Lady Gaga
Katy Perry
Miley Cyrus
Shakira
Rihanna

Prêmio de revelação
Ke$ha
B.o.B.
Jason Derulo
Plan B
Justin Bieber

Banda alternativa
Gorillaz
Gossip
Paramore
Vampire Weekend
Arcade Fire

Prêmio Hip-Hop
T.I.
Eminem
Kanye West
Lil Wayne
Snoop Dogg

Melhor canção
Usher - "OMG"
Katy Perry feat. Snoop Dogg - "California Gurls"
Eminem feat. Rihanna - "Love the Way You Lie"
Rihanna - "Rude Boy"
Lady Gaga - "Bad Romance"

Melhor videoclipe
30 Seconds to Mars - "Kings and Queens"
Katy Perry - "California Gurls"
Lady Gaga feat Beyoncé - "Telephone"
Plan B - "Prayin'"
Eminem feat. Rihanna - "Love the Way You Lie

Sandália de Prata lança LP com show no palco do SESC

O grupo paulistano Sandália de Prata se apresenta no próximo sábado, 25, no palco da Choperia do SESC Pompéia, em São Paulo, levando ao público um show especial. A banda está lançando a edição em LP do segundo álbum da carreira, “Samba Pesado”, e no show divide com a platéia a alegria da chegada do “bolachão” com muito suingue.
O álbum “Samba Pesado” foi lançado originalmente em CD no ano passado, e agora está disponível em disco de vinil, para os colecionadores, DJs e aqueles que percebem a diferença sonora entre uma mídia e a outra.
Além de sete músicas próprias, o disco traz uma versão para “Check my Machine”, clássico de Paul McCartney. Talvez pareça estranha a mistura, mas o vocalista Ully Costa explica: “Nossa sonoridade tem o samba (e algumas de suas vertentes, como o samba-rock, a gafieira e o partido alto) como espinha dorsal, porém nos utilizamos também de elementos do jazz, do rap e do R&B. Cresci nos bailes de samba-rock e nostalgia da periferia e essa música sempre foi um clássico para os dançarinos, então resolvi colocá-la no show e agora no LP”.
Antes do Sandália de Prata subir ao palco o público ainda poderá dançar ao som do DJ Toni Hits, transformando o local num verdadeiro baile.
Com dois álbuns lançados - “Sandália de Prata”, de 2007, e “Samba Pesado”, de 2009 - o grupo é formado por Ully Costa (voz), Dado Tristão (teclado), Carlinhos Creck (baixo), Sandro Lima (guitarra), Paulinho Sorriso (bateria), Tito Amorim (percussão), João Lenhari (trompete), Jorge Neto (trombone) e Marcelo Valezi (saxofone). Para conhecer o trabalho da banda acesse www.myspace.com/sandaliadeprata.

25/09/2010 - São Paulo/SP
SESC Pompéia - Rua Clélia, 93
Horário: 20h30
Ingressos: R$ 16,00 (inteira), R$ 8,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante) e R$ 4,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).
Informações: 11 3871-7700 / www.sescsp.org.br

Elba Ramalho lança novo trabalho ao vivo em outubro

Está previsto para o próximo mês o lançamento do novo disco ao vivo da cantora Elba Ramalho. “Marco Zero - Ao Vivo” traz registrada uma apresentação que a cantora fez em 12 de março deste ano no Marco Zero de Recife.
No repertório do disco estão incluídos os duetos feitos por Elba e convidados no show, como “O Meu Amor”, com Alcione, “Admirável Gado Novo”, com Zé Ramalho, “Queixa”, com Lenine, e “Canta Coração”, com Geraldo Azevedo. Ao toal o CD trará 14 faixas e será lançado pela Biscoito Fino. Confira:

01. Anunciação
02. Banquete de Signos
03. Canta Coração
04. Morena de Angola
05. Pavão Mysteriozo
06. O Meu Amor
07. De Volta pro Aconchego
08. Queixa
09. Admirável Gado Novo
10. Chorando e Cantando
11. É Só Você Querer
12. Chão de Giz
13. Chuva de Sombrinhas
14. Frevo Mulher

AMELINHA no Teatro Rival

                                           Terça, 21 de setembro, às 19h30

AMELINHA, a voz proverbial e quente, desenvolve sutilezas de uma cantora de intuição e técnica. Uma cantora coerente, sedutora. Carrega consigo todo o mormaço dos tempos do Ceará, de sua clara Fortaleza. Ela abriga recursos de tons caminhantes quando entoa canções múltiplas. É sinal agudo e doce que passeia por brenhas e solares. Suave, cruza espaços de estilos e se aconchega de maneira única na sinuosidade de versos colocados para sua interpretação, escapando de armadilhas sonoras infinitamente poderosas.
Em um repertório feito especialmente para o Roval Petrobras, Amelinha vai caminhar pelas canções FOI DEUS QUE FEZ VOCÊ, de Luiz Ramalho (premiada no mpb 80 – rede globo) , a estonteante FREVO MULHER , de Zé Ramalho, feita pra ela , que também foi fonte de inspiração para a mesma . Foi aí que ganhou o seu primeiro disco de ouro. DIA BRANCO, de Geraldo Azevedo, e ÁGUA E LUZ de Tavito e Ricardo Magno, entre outras como MUCURIPE de Fagner e Belchior e homenagens a Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e João do Vale, seu compadre.
“Janelas do Brasil” abre janelas do tempo e também o baú de suas relíquias, escolhe qual vai ser, e sai a navegar contente, espalhando luz como na canção noites de cetim, dos compositores Herman Torres e Sergio Natureza, que estarão no repertório deste espetáculo. Ela tenta agradar os admiradores e que estão sempre a solicitar uma e outra de seu vasto acervo musical.

Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Tel.: 2524 1666.
Terça, 21 de setembro, às 19h30 Ingresso: R$ 40,00(Inteira) R$ 30,00(Os 100 primeiros pagantes) R$20,00(Meia) Classificação: 16 anos. http://www.rivalpetrobras.com.br/

SHOWS RIO DE JANEIRO

Márcio Lott e Marvio Ciribelli Trio homenageiam Cole Porter no Lapinha


Na próxima Quinta Feira, dia 23 de Setembro, às 21h30min, o cantor mineiro Marcio Lott e o trio do pianista Marvio Ciribelli apresentarão um show com músicas do compositor norte americano, Cole Porter. No repertório, grandes sucessos como, I Love you, I Get a Kick Out of You, Love For Sale, Night and Day, I've Got you Under My skin, Let's do it, So in Love, Begin the Beguine, I Love Paris, Hi Society, Every Time We Say Goodbye e Just One of Those Things. Márcio Lott sempre fez parte de conceituados grupos vocais como Quarteto Forma, Be Happy e Nós Quatro. Lott gravou em famosas trilhas sonoras de novelas, como Uma Rosa Com Amor, Selva de Pedra, Carinhoso, O Semideus, Cavalo de Aço, Ossos do Barão, Locomotivas, Cuca Legal e O Casarão.
Velho Armazém (80 lugares). Praia de São Francisco, nº 6, Niterói-RJ. Tel.: 2714-5424 / 2704-9547.
Quinta, 23 de Setembro, às 21h. Couvert: R$ 18,00.Classificação etária: Livre.

Thaís Fraga e Trio - Bossa 'n Jazz

A cantora Thaís Fraga, voz (e tamborim) estará no Hotel Sofitel/Bar Horse’s Neck, Copacabana, Posto 6, com o seu trio, Ricardo Mac Cord, teclado, Rodrigo Villa, baixo e Rubinho, bateria, num repertório de brazilian jazz, samba-jazz e bossa nova, com aquele swing habitual, a marca principal da artista e dos músicos que a acompanha. No programa, vários standards da bossa nova e do samba-jazz, em versões personalizadas, com a vibração e dinâmica da sonoridade e interpretação do quarteto, já conhecidas e avalizadas pelo grande público e a crítica especializada. Hotel Sofitel - Horse’s Neck Bar (80 lugares). Av. Atlântica, 4240/Nível E - Posto 6/Copacabana.
Sexta, 24 de setembro, às 21h. Couvert Artístico: R$ 20,00. Informações: (21) 25251232. Classificação Livre (menores devem estar acompanhados dos responsáveis).

ORQUESTRA IMPERIAL - Ensaios Dançantes

No Próximo dia 08 de setembro , a ORQUESTRA IMPERIAL estreia no Teatro Rival Petrobras, SUA imperdível temporada de bailes parágrafo relembrar velhos tempos do OS Ballroom Experimentar e Novos Arranjos e Repertório parágrafo Próximo disco um. Todas a Quartas - feiras , a Orquestra Imperial não sobe palco , como em Ponto 22h , para " Ensaios dançantes "com Marlboro, o DJ oficial da trupe, esquentando uma pista sem nenhum intervalo e final do segundo set.
O velho e bom Teatro Rival Petrobras Não Foi escolhido à toa . Não bastasse o grupo ter Feito Já lá Uma minitemporada de Lançamento do Seu Único e Bem sucedido álbum ( "Carnaval Só Ano Que Vem "de 2007) e Realizado o baile de 75 anos da casa , o projeto " Rival + Tarde "de Leandra Leal Trouxe O Que Faltava : uma em Volta Alto Estilo e com um cara da Orquestra , misturando o Antigo e o moderno.
Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Dias 22 e 29 de setembro - Quartas, às 21h. Todas a quartas de setembro, às 21h
Ingresso: R $ 25,00 + 1 kg de Alimento Não perecível (preço promocional ) R $ 25,00 (Meia)
R $ 50,00 (Inteira). Reservas: 2524 - 1666 Classificação: 16 anos. www.rivalpetrobras.com.br

KRISTOFF SILVA

Originalidade, cuidado e ousadia compõem EM PÉ NO PORTO, primeiro CD de Kristoff Silva. O músico apresenta um trabalho maduro, resultado da sua experiência como violonista e de seus mais de 15 anos de atividades artísticas.
Das composições ao projeto gráfico, tudo remete a uma concepção de canção muito particular, marca do seu trabalho autoral. “Em um abraço ao sentido da letra, tento levá-la a passear o mais longe possível no mundo da música”, define o artista. Sua música tem bases na tradição, mas não tem medo de ser moderna. A programação eletrônica está presente nos arranjos, sobretudo nas quatro faixas que abrem o disco. O desenho do eletrônico entra com naturalidade e leveza.
As canções passeiam pelo mar, o amor, o processo criativo, encontros e lugares. São 12 faixas de sua autoria, ou dele com os parceiros Luiz Tatit e Makely Ka. Além da voz de Kristoff, o disco tem interpretações de Ná Ozzetti, Luiz Tatit, Marcelo Pretto e Jussara Silveira. A produção e direção musical do CD são do próprio Kristoff, que dividiu as gravações entre Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro.
Participam do álbum músicos convidados, como o pianista Tiago Costa, responsável também por dois arranjos, o clarinetista Luca Raele, e as cantoras Cris Brasil e Juliana Perdigão. A presença mais intensa é de seu grupo de músicos mineiros, que contribuíram, inclusive, nos arranjos: Antônio Loureiro (bateria, percussão, vibrafone, vocais e programação eletrônica), Pedro Santana (contrabaixo acústico, elétrico e vocais) e Rafael Martini (piano, acordeom, viola e vocais).
Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Tel.: 2524 1666
Dia 14 de setembro – Terça–feira às 19h30 Ingresso: R$ 10,00(Inteira) R$ 5,00(Meia)
Classificação: 16 anos. www.rivalpetrobras.com.br

SAMBA DA OUVIDOR

O Samba da Ouvidor não é mais visto apenas como uma roda de samba, hoje se transformou num importante movimento, tendo como principal foco manter sempre em alto mastro a bandeira do samba. Milhares de pessoas comparecem aos sábado quinzenais, na esquina de Rua do Ouvidor com Rua do Mercado.
O fator mais importante é o prazer que seus integrantes tem em reunir gravações de sambas esquecidos, alguns até inéditos e compartilhar com o povo diretamente na rua, sem restrições. Todos acreditam que assim, essas lindas canções e seus compositores ganharão vida novamente e voltarão ao cancioneiro popular.
Nesta edição, o Samba da Ouvidor visita as Escolas de Samba! Dois convidados ilustres farão parte desta apresentação. Ledi Goulart (Aprendizes de Lucas) e Waldir 59 (Portela).
Os dois são a história viva do samba. Ledi foi puxador oficial da Aprendizes de Lucas e da Unidos de Lucas na década de 60. Waldir 59 é um dos maiores vencedores de samba enredo da Portela, parceiro de Candeia
Este repertório especial é baseado em Walter Rosa, Manacéa, Zé Ramos, Candeia, e outros menos conhecidos como Silvinho do Pandeiro, Cabana, Noel Rosa de Oliveira e Caxiné. Basicamente sambas de terreiro das escolas de samba onde Portela, Império, Salgueiro e Mangueira serão as protagonistas.
Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Tel.: 2524 1666
Dia 24 de setembro – Sexta–feira, às 19h30 Ingresso: R$ 36,00(Inteira). R$ 25,00(Os 100 primeiros pagantes). R$ 18,00(Meia). Classificação: 18 anos. http://www.rivalpetrobras.com.br/

SILVIA MACHETE + DJ TUTU MORAES

Tradicional palco da música de qualidade abre espaço para a cena de vanguarda e traz a multifacetada Silvia Machete e a festa mais animada de São Paulo – Festa do Santo Forte com o DJ Tutu Moraes.
Sexy, engraçada, inventiva. Esses adjetivos se fazem presentes ao longo do novo cd “Extravaganza” de Silvia Machete. “Noite torta”, canção que abre os trabalhos, revela a exatidão da escolha, que ilumina uma música pouco conhecida de Itamar Assumpção. “Meu carnaval” é de gênero inclassificável, mas também tem a cara, senão da sacanagem, do romantismo de Silvia.
Para lidar com Silvia, é preciso lidar com essas ambiguidades. Sua música tem muito humor, certamente. Mas se trata de um humor sofisticado, inventivo, que brinca com os códigos da cultura. E para brincar com eles, é preciso conhecê-los. Ela regrava uma canção americana, “Underneath the Mango Tree”, com ternura e um solo precioso de marimba.
Precursor do movimento de levar a música brasileira para as pistas de dança desde a década de 90, na pista de dança, o DJ Tutu Moraes, monta seu divertido set, reunindo pontos de umbanda e candomblé com pitadas de carimbó, frevo, tropicália, afoxé e marchinhas de carnaval!
Resgata a música brasileira do passado e inclui produções contemporâneas e música independente, além das diferentes vertentes do samba (raiz, roda, jongo, recôncavo, côco, maxixe, gafieira, samba-rock, samba-funk…).
Com todo esse diversificado e extenso repertório, acabou sendo convidado pra trabalhos diversos, além de levar o seu set pra outras cidades brasileiras e liderar a cena “brazuca” de São Paulo com a badalada “Festa do Santo Forte”, onde é o anfitrião, produtor e DJ.
Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Tel.:2524 1666.
Dia 24 de setembro – Sexta–feira, às 23h30 Ingresso:R$ 25,00 + 1Kg de alimento não perecível(Promocional) R$ 25,00 (Meia) R$ 50,00(Inteira) Classificação: 18 anos.
http://www.rivalpetrobras.com.br/

KARINA BUHR

No próximo dia 25 de setembro (sábado), Karina Buhr faz, no Rival + Tarde, a aguardada estreia no Rio de Janeiro do show de seu primeiro CD solo “Menti pra você”.
Karina sobe no palco do Teatro Rival Petrobras acompanhada por uma superbanda formada por Bruno Buarque (bateria), Guizado (trompete), Fernando Catatau e Edgard Scandurra (guitarras), Mau (baixo) e Dustan Gallas (teclados). No repertório, músicas de sua autoria como “Plástico Bolha”, “Avião Aeroporto”, “O Pé”, “Solo de Água Fervente”, além da faixa-título do CD.
Nascida em Salvador e criada em Recife, a carreira musical de Karina começou, em 1994, em meio à efervescência cultural pernambucana, através dos maracatus Piaba de Ouro e Estrela Brilhante, numa época em que mulheres eram impedidas de participar como musicistas nesses grupos.
Passou a integrar, em 1995, a banda Eddie e, em 1997, criou a banda Comadre Fulozinha e a partir daí fez parte de várias bandas como Bonsucesso Samba Clube, Velho Mangaba e suas Pastoras Endiabradas e Zabumba Véia do Badalo. Tocou com DJ Dolores, Erasto Vasconcelos, Dedo do Côco, Antônio Nóbrega, dentre outros.
Além dos três CDs da Comadre Fulozinha, gravou com a banda Eddie, Erasto Vasconcelos, Mundo Livre s/a, Chão e Chinelo, Mestre Ambrósio e Reginaldo Rossi. Participou das coletâneas “Brasil Compacto”, “Baião de Viramundo”, “Afoxés de PE”, “Música de Pernambuco” e de várias trilhas sonoras como da peça e do filme “A Máquina” de João Falcão, “Baile Perfumado”, “Deus é Brasileiro” e “Narradores de Javé”.
Karina foi integrante do Teatro Oficina, a convite do diretor Zé Celso Martinez depois de assistir um show da Comadre Fulozinha, em 1998. Como atriz, cantora, compositora e percussionista, fez “Bacantes (2001) e as cinco peças que integram “Os Sertões”.
Teatro Rival Petrobras (472 lugares) - Rua Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia. Tel.: 2524 1666
Dia 25 de setembro – Sábado, às 23h30. Ingresso:R$ 25,00 + 1kg de alimento não perecível (Promocional) R$ 25,00 (Meia) R$ 50,00 (inteira) Classificação: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.br

As atrações e/ou informações sobre eventos que constam neste site estão sujeitas a mudanças e alterações sem aviso prévio. Evite surpresas telefonando antes de visitar as atrações ou eventos.

'Gal total'

Gal Costa ressurge em caixa com 12 de seus CDs e em disco novo com Caetano

Leonardo Lichote
À beira dos 65 anos (que completa no próximo domingo), a Gal Costa de hoje carrega a imagem de uma grande dama do canto brasileiro - pelo domínio de sua voz límpida, pelo repertório coalhado de clássicos e pela pouca (ou irregular) ousadia que marca seus últimos trabalhos. Mas quando fita a jovem e explosiva tropicalista de "Gal Costa" (1969), a mulher bossanovística e moderna de "Cantar" (1974) ou a madura hitmaker de "Fantasia" (1981) - reunidos ao lado de outros 12 discos da artista na caixa "Gal total" (Universal), que traz também um CD duplo de raridades -, a senhora de 2010 se vê ali, naturalmente:

- Fui verdadeira em todas as fases, me reconheço em todos esses discos. Porque minha essência é o canto cristalino - diz a artista, por telefone, durante uns dias off em Nova York. - Teve o momento em que usei o grito, até como forma de protesto, mas a minha essência sempre se manteve. As fases diferentes são uma marca do meu temperamento. Gosto de arriscar, de inventar.

À primeira vista, os verbos "inventar" e "arriscar" no presente não soam adequados à voz da Gal dos últimos anos - apesar da investida na obra de novos compositores e arranjos com sabor contemporâneo de "Hoje" (2005) e do frescor de "Aquele frevo axé" (1998). Mas a cantora, que prepara um disco com produção de Caetano e Moreno Veloso, esquiva-se dessa percepção ao dar seu olhar maduro sobre os conceitos de risco e invenção.

" Tudo é perigoso. Tudo é divino, maravilhoso. Quando falo em se arriscar, falo de fazer o que se quer sem ter medo "

- Fazer disco novo é se arriscar, sair de casa é se arriscar - diz, quase citando involuntariamente o Los Hermanos de "Último romance" ("Sair de casa já é se aventurar", diz a canção) e antes de citar para valer a canção-ícone para o tropicalismo e sobretudo para sua carreira, por marcar a passagem do canto bossanovístico para uma agressividade experimental, "Divino, maravilhoso". - Tudo é perigoso. Tudo é divino, maravilhoso. Quando falo em se arriscar, falo de fazer o que se quer sem ter medo. Posso querer gravar um disco de bossa nova, e você dizer: "Ah, a Gal tá velha." Mas eu não vou ter medo dessa reação, vou fazer. Ou posso querer um disco de rock. Se é possível eu fazer algo assim hoje? Claro. Em se tratando de Gal Costa, tudo é possível.

Sob o olhar de Gal, portanto, as distâncias entre a cantora de hoje e a de ontem parecem pequenas - ou inexistentes. Se a intérprete do período dourado coberto pela caixa - dos discos entre 1967 e 1983, gravados pela antiga Philips (depois Polygram, hoje Universal) - é citada (e percebida) como a maior influência em nove entre dez cantoras brasileiras jovens e cool (de Céu a Roberta Sá), a artista de 2010 vê nisso um fruto de algo que passa além do apelo do experimentalismo ácido de "Fa-tal" (1971) ou da beleza tenra da voz de uma menina de 22 anos cantando músicas de um compositor de sua geração em "Domingo" (Gal e Caetano, de 1967).

- Sou moderna e vista assim por esses artistas por causa de João Gilberto, por ser herdeira dele. Meu canto é moderno porque a bossa nova também é. Sou e serei uma cantora contemporânea por toda a minha vida pela identificação que tive com o canto de João. A bossa nova também foi uma forma que encontrei de ser revolucionária - diz a cantora, que tem contato com seus jovens fãs via Twitter. - Essa garotada de 16, 18 anos conhece tudo da minha carreira, tem os vinis. Eles dizem que o canto brasileiro se divide entre antes e depois de Gal Costa. E sei que muitas das cantoras jovens do Brasil reconhecem minha influência. Me vejo no trabalho delas também, como reflexo.

A imodéstia presente em suas falas reúne uma consciência real de sua importância, doses de vaidade e um tanto de postura defensiva. Não é à toa. Desde a década de 80, Gal sofre acusações constantes da crítica - de ser "comercial", "conservadora" ou simplesmente "equivocada". Frequentemente, a excelência de discos que estão na caixa "Gal total" é lembrada como parâmetro de comparação.

- Muitas vezes a crítica não entende o trabalho. E, como o artista, ela passa por fases também. Tem hora que quer falar bem, depois quer falar mal. Por outro lado, todo artista tem safra e entressafra - pondera, antes de lembrar um exemplo da inconstância da crítica. - O show "Fantasia" (de 1981) foi criticado de uma forma muito violenta. Talvez por ser repleto de inéditas, por ter a presença de Lincoln Olivetti (responsável pelos arranjos), com quem a imprensa implicava... Mas levamos o show para o estúdio e fizemos um disco com o mesmo repertório, os mesmos arranjos. E ele foi escolhido um dos melhores do ano.

Seu cuidado ao falar com a imprensa também se deve a um episódio ocorrido em 2001, quando Gal foi bombardeada por ter dito - ela nega - que não existiam mais bons compositores na MPB, declaração similar a outras atribuídas à cantora em entrevistas dadas, por exemplo, em 1970 e 1979. Por isso, ela mede palavras ao comentar sua visão sobre a música hoje.

- Minha geração teve o privilégio de viver um sonho; hoje é tudo muito profissional. Não que ache melhor ou pior, só estou dizendo que foi esse o movimento do mundo. Em meu último disco, "Hoje", gravei gente maravilhosa dessa nova geração. Mas estou falando de algo que acontece mundialmente. Veja essas cantoras americanas, todas cantam muito bem, mas elas parecem feitas para o sucesso. Não que não haja quem sonhe, mas falo de algo generalizado, geracional. Não é mais assim - afirma Gal, que reconhece esse movimento, ou pistas dele, na própria discografia presente em sua caixa. - Isso pode ser percebido no meu trabalho e no de qualquer artista. Meus discos dos anos 80 são mais pop.

Na contramão do imediatismo que identifica no mundo contemporâneo - e talvez sob a percepção do tempo que a idade impõe ou que uma caixa como essa sugere -, Gal parece olhar a vida com a serenidade jovial de "Domingo".
- Não me sinto com a idade que tenho. A maternidade (Gal adotou Gabriel, hoje com 5 anos, em 2007) me rejuvenesceu. Nada é mais revolucionário do que ser mãe - afirma. - É isso que me move a cantar. Não é um assunto específico, não é política, não é comida. É a vida, a beleza de estar no mundo. Estou em Nova York, vou andando até Downtown, vendo as coisas, sinto que estou viva. Se estivesse enfurnada em casa, deprimida, talvez não quisesse cantar. Mas hoje sei que não há idade certa para nada. Se quiser aprender alemão aos 78 anos, farei isso. O tempo está dentro da sua cabeça.

"I'm alive vivo muito vivo", disse Caetano ao andar por Portobello Road, Londres, no início dos anos 70. É bom saber que Gal - a intérprete que, pelo que foi no passado coberto pela caixa, mas também pelo que é em 2010, precisa ser ouvida quando canta - se sente assim. E que retoma a parceria com Caetano, que esteve com ela em momentos como sua estreia, em "Domingo", e como produtor, em "Cantar".

- Está muito no começo, mas já estamos trabalhando - conta. - Será um CD de inéditas, nada de revisionismo.

Gal prepara disco, criam-se expectativas que retomam toda uma trajetória - da menina tropicalista à grande dama do canto brasileiro. E fazem pensar sobre como soarão hoje as sutis ou explosivas revoluções - da bossa nova, do experimentalismo, do grito, do sonho, do desejo pelo risco, da maternidade - que a cantora carrega em si.