3.17.2009


Black Rio em Movimento


Gosto é uma coisa inexplicável. Pode ser moldado, lapidado, mas sempre tem algo muito pessoal. Baseado nisso e ouvindo novamente o disco Movimento, último lançamento da Banda Black Rio, é que percebi dois extremos: tem coisas maravilhosas e outras equivocadas. O trabalho da banda com a formação original, mesmo quando gravou músicas com arranjos mais simples era mais consistente. Músicas como Carrossel, Magia do Prazer, Tomorrow e Aquarius são lamentáveis enquanto Nova Guanabara, Mistérios da Raça, Sexta-Feira Carioca, Deixa-me Sonhar e Candeia seguem no padrão da Black Rio original. A levada do baixo de Cláudio Rosa em Deixa-me Sonhar é top e os arranjos voltados para o funk, mas com uma pegada brazuca são do mais alto nível. Produzido por William Magalhães, tecladista e filho do maestro Oberdan Magalhães, saxofonista e mentor da Black Rio, o disco conta com músicos do mais alto nível além da participação do trombonista Lúcio, integrante da formação original. Pesquisando com o jornalista Marcus Modesto sobre a discografia da banda, encontramos um vídeo raro que tem como surpresa a participação do grande tecladista barramansense, Reginaldo Francisco, o Dom Pi. O filme é de 1982 com a música Central do Brasil e a Black Rio em grande performance.Assistam!

Biffe é músico,jornalista,professor de bateria
e proprietário do Instituto Musical Marcelo Biffe
Contatos: 24 9945-1131

Um comentário:

claudia disse...

Olá Marcelo, Primo Querido!
Estou adorando ler suas notícias musicais.
grande abraço
claudia medeiros